Histórico da França em Copas do Mundo

Autor: 
MBPress

FRANÇA



- População: 63.587.700 habitantes
- Área: 674.843 km2
- Língua oficial: francês
- Moeda: euro
- Posição no ranking da Fifa: 10° colocado.

A França participou em 2010 da sua 13ª Copa do Mundo e seu histórico de sucesso na competição é relativamente recente. O primeiro título só foi conquistado no Mundial de 1998, com uma emblemática vitória por 3 a 0 sobre a Seleção Brasileira, em casa. Quatro anos depois, frustou o mundo ao ser eliminada na primeira fase, mas voltou mais forte do que nunca em 2006 e conseguiu um honroso vice-campeonato – perdeu para a Itália, nos pênaltis.

Depois de participar das três primeiras Copas (1930, 1934 e 1938), a seleção francesa só voltaria a disputar um Mundial em 1954. Até então, fizera campanhas modestas, a chegar no máximo ao sétimo lugar, em 1930. A situação melhorou em 1958, ano em que o Brasil faturou o seu primeiro título mundial, na Suécia. E os Les Bleus foram eliminados justamente por Pelé, Garrincha, Didi e companhia, na semifinal – curiosamente, foi o duelo entre o melhor ataque (França) e a melhor defesa (Brasil).

França Copa 2010
Cortesia da Federação Francesa de Futebol
A França venceu a Copa de 98

Na disputa pelo terceiro lugar, os franceses trucidaram a Alemanha por 6 a 3, com uma atuação histórica de Just Fontaine, autor de quatro gols (ele terminaria o Mundial com 13 gols e até hoje é o artilheiro com o maior número de gols em uma só edição da competição).

Entre 1962 e 1978, a França participou de apenas duas das cinco Copas realizadas neste período, e em ambas fora eliminada na primeira fase. Mas a década de 80 seria especial para os Les Bleus. Em 1982 e 1986, o mundo conheceu a “geração Platini”, liderada pelo habilidoso camisa 10 Michel Platini - cujo estilo de jogo era comparável ao de Zico -, mas fracassou na tentativa do título. Carrasco da Seleção Brasileira em 1986, venceria a disputa pelo terceiro lugar naquele ano, o mesmo posto que perdera quatro anos antes (terminou na quarta colocação após por 3 a 2 para a Polônia).

Ao fim da “geração Platini”, a França reviveu a época de ostracismo e ficou fora dos dois Mundiais seguintes: 1990, na Itália, e 1994, nos Estados Unidos. Contudo, retornou de forma triunfal em 1998, ano em que sediou a competição. Não só teve a alegria de faturar a taça em seus domínios, mas como também humilhar a favorita Seleção Brasileira com sonoros 3 a 0 na grande decisão – destaque para o meia Zinedine Zidane, autor de dois gols.

Quatro anos depois a situação seria invertida: a França, favorita, caiu na primeira fase, e o Brasil faturou o pentacampeonato. A redenção veio em 2006, ano em que se consagrou novamente como carrasco da Seleção Brasileira (eliminando-a nas quartas-de-final) e chegou à final, na qual perdeu para a Itália na disputa de pênaltis.

E em 2010 a França não foi nada bem caindo logo na primeira fase da competição sem vencer uma única partida.

Curiosidades

- No duelo particular entre França e Brasil, os europeus estão bem à frente. Ao todo foram três dolorosas eliminações: 1986 (quartas-de-final), 1998 (final) e 2006 (quartas-de-final). A Seleção Brasileira levou a melhor apenas em 1958, ano em que venceu os rivais na semifinal e conquistou o título posteriormente, contra a Suécia.

- O lendário atacante Just Fontaine é até hoje o artilheiro com o maior número de gols em uma só Copa do Mundo. Ele marcou 13 tentos em 1958, ano em que os Les Bleus foram eliminados pelo Brasil na semifinal. O primeiro gol da história das Copas também é de um francês: Laurent, no duelo contra o México, no dia 13 de julho de 1930.

- O criticado Raymond Domenech já acumula uma série de situações controversas no período em que ocupa o cargo de treinador da seleção francesa. A primeira delas aconteceu em 2006, ano em que deixou de convocar o meia Robert Pirès por ele ser do signo de escorpião. Segundo Domenech, que é apaixonado por astrologia, pessoas do signo de escorpião sempre terminam “mantando uns aos outros”.

- Já em 2008, logo após a eliminação na Eurocopa, ele simplesmente ignorou o bombardeio de críticas da imprensa e do povo francês e se expôs ao máximo: pediu a namorada em casamento durante a transmissão de um programa de TV. Para os que já não gostavam dele, a atitude foi um prato cheio. Até o ídolo Michel Platini chegou a dizer que Domenech tem “problemas de personalidade”, lembrando do caso.