A história dos Jogos Paraolímpicos

Autor: 
Ana França

Os primeiros eventos competitivos voltados para pessoas com deficiência surgiram na Inglaterra e nos Estados Unidos, logo após a Segunda Guerra Mundial – muito em função de inúmeros ex-combatentes terem perdido membros ou a audição enquanto lutavam.

Os primeiros jogos foram realizados em Stoke Mandeville, onde localizava-se um importante hospital e o Centro Nacional de Lesionados Medulares, em 1948. O Centro foi criado pelo governo inglês com a ajuda do neurologista Ludwig Guttmann para tratar os soldados feridos na guerra. Para tanto, os médicos adotaram o esporte como parte da reabilitação médica. Essa não era uma prática muito comum naquela época. Embora já acontecessem algumas promoções esportivas para portadores de deficiência, os Jogos de 1948 foram considerados um marco na história do esporte paraolímpico e ficaram mundialmente conhecidos como os Jogos de Stoke Mandeville, que reuniram 16 atletas, todos veteranos de guerra.

Jogos Paraolímpicos
Imagem cedida pelo Comitê Paraolímpico Brasileiro

A realização dos Jogos de Stoke Mandeville, “coincidiu” com os Jogos Olímpicos de Londres, deixando claro, desde o início, o desejo do médico Ludwig Guttmann da criação de uma Olimpíada para os portadores de deficiência. O sucesso do método implantado pelo neurologista com seus pacientes foi tão grande que, pouco a pouco, médicos do mundo inteiro passaram a usar o esporte também como uma nova forma de reabilitar seus pacientes.

E já que pessoas portadores de deficiência de outros lugares, além da Inglaterra, estavam praticando esporte, nada melhor do que organizar uma nova competição. E foi assim que, em 1952, foram realizados os Jogos Internacionais de Mandeville, que reuniram nada menos do que 130 atletas ingleses e holandeses.

Jogos Paraolímpicos
Imagem cedida pelo Comitê Paraolímpico Brasileiro

O sonho de Guttmann, porém, concretizou-se mesmo em 1960, com a realização dos Jogos Paraolímpicos de Roma, evento considerado pelo Comitê Paraolímpico Internacional, como o primeiro grande evento. Os Jogos Paraolímpicos de Roma, chamados de Olimpíadas dos Portadores de Deficiência, reuniram 400 atletas, de 23 países, porém, todos cadeirantes. A competição teve todo o apoio dos dirigentes mundiais e desde então, os Jogos Paraolímpicos passaram a ser realizados nas mesmas cidades e nas mesmas instalações dos Jogos Olímpicos.

“Guttmann está para os Jogos Paraolímpicos assim como Coubertin está para os Jogos Olímpicos da Era Moderna.” Papa XVIII

Desde então, o número de atetas e modalidades disputadas não parou mais de crescer. De 400 atletas e 23 países participantes nos Jogos de 1960, fomos para 4 mil atletas e 143 países nos Jogos de Atenas, em 2004. Além do aumento incrível no número de atletas, muita coisa evoluiu no esporte para deficientes de lá para cá. O esporte para pessoas com necessidades especiais deixou de ser amador e passou a ser a atividade profissional dos atletas que passaram a buscar o alto rendimento nas competições.

Jogos Paraolímpicos
Imagem cedida pelo Comitê Paraolímpico Brasileiro

Quando não coincidiu...

Desde 1960, os Jogos Paraolímpicos são disputados na mesma cidade e utiliza as mesmas instalações dos Jogos Olímpicos. Isso não ocorreu apenas em quatro ocasiões.

Em 1968, os Jogos Olímpicos foram disputados na Cidade do México enquanto que os Jogos Paraolímpicos aconteceram em Tel Aviv. Em 1972, apesar das duas competições acontecerem no mesmo país, a Alemanha, elas foram realizadas em cidades diferentes: Munique – Jogos Olímpicos, e Heidelberg – Jogos Paraolímpicos.

Em 1980, os Jogos Olímpicos foram disputados em Moscou enquanto que os Paraolímpicos aconteceram em Arnhem, na Holanda. E, em 1984, foram realizados dois Jogos Paraolímpicos, em Nova Iorque e Stoke Mandeville, enquanto que os Jogos Olímpicos foram disputados em Los Angeles.

A tecnologia também passou a ser um ingrediente indispensável. Se em 1960 apenas cadeirantes puderam participar dos Jogos, hoje praticamente as pessoas com os mais diversos tipos de necessidades especiais podem participar, desde que atinjam seus índices (e que índices!) nas 20 modalidades disputadas. Se as cadeiras de rodas de 1960 eram de madeira, hoje elas são de fibra de carbono e alumínio. Confira abaixo um breve resumo de cada uma das edições dos Jogos Paraolímpicos.

Jogos Paraolímpicos
1960 - Roma 400 atletas, apenas cadeirantes
1964 - Tóquio inclusão da corrida para homens e mulheres em cadeiras de rodas nos 60 m
1968 - Tel Avi intensa cobertura da mídia e quebra de 20 recordes mundiais
1972 – Heidelberg primeira participação dos brasileiros
1976 – Toronto jogos transmitidos ao vivo
1980 – Arnhem paralisados cerebrais disputaram pela primeira vez os Jogos Olímpicos
1984 – Nova Iorque e Stoke Mandeville participação de 1.700 atletas de 45 países
1988 – Seul marcou a história em função do avanço na tecnologia e profissionalização dos 3 mil atletas
1992 – Barcelona inclusão do tênis em cadeira de rodas em caráter competitivo e não mais demonstrativo; quebra de 280 recordes mundiais
1996 – Atlanta primeira participação de atletas deficientes mentais em caráter competitivo
2000 – Sidney os Jogos foram tão bem estruturados que a Paraolimpíada passou a ser o segundo maior evento esportivo do mundo
2004 – Atenas organizado pela primeira vez pelo mesmo comitê organizador dos Jogos Olímpicos; disputado por quatro mil atletas; 19 modalidades