Quando os nadadores e corredores atingirão seus limites físicos?

Autor: 
Editores do HowStuffWorks

Recordes de natação e corrida são quebrados várias vezes em praticamente todas as competições internacionais. Mas, será que a performance humana continuará a evoluir indefinidamente? Os corredores alcançarão a linha de chegada em tempos sempre cada vez mais rápidos? E até quando os nadadores continuarão a quebrar seus próprios recordes?

Pesquisadores da Coreia do Sul analisaram os dados de eventos esportivos dos últimos cem anos e calcularam que dentro de uma década chegaremos no limite do desempenho humano. Os resultados foram publicados no International Journal of Applied Management Science.

Existe limite para um atleta?
© istockphoto.com /Jabejon
Existe limite físico para um atleta?

Yu Sang Chang e Seung Jin Baek da Escola de Gestão de Políticas Públicas de Seul usaram modelos de regressão não-lineares para analisar dados de 61 competições de corrida e natação. Eles descobriram que o “limite de tempo” deve estar entre 7,5 e 10,5 anos. Dessa maneira, nós ainda veremos quebras de recordes nos Jogos Olímpicos de 2012 em Londres, e talvez nos Jogos do Rio, em 2016. Mas depois disso... quem sabe? Os pesquisadores acreditam que a sua descoberta de “limite de tempo” tem uma série de implicações políticas para as associações esportivas locais e nacionais bem como para as federações internacionais em se tratando de definições de regras.

O nadador norte-americano Michael Phelps disse o seguinte: “Você não pode estabelecer um limite para nada. Quanto mais você sonha, mais longe você chegará”. Phelps já quebrou algo em torno de 40 recordes. O velocista jamaicano Usain Bolt quebra seu próprio recorde na prova de 100 metros praticamente em todas as competições que participa.

Inúmeros pesquisadores já sugeriram anteriormente que o desempenho dos humanos tem um limite. Porém, o recorde de 9,58 segundos de Bolt na prova de 100 metros acabou com a teoria de 40 anos atrás – de acordo com os pesquisadores da época ninguém conseguiria baixar o tempo de 9,60 segundos para essa prova.

“O limite de velocidade em eventos esportivos tem sido um tema popular para o público já que ver os atletas estabelecerem novos recordes é algo excitante e estimulante para muitos fãs de esporte”, sugerem os pesquisadores. “Além disso, estabelecer novos recordes mundiais pode ser inspirador para o grande público porque o processo de aprimoramento e vitória em uma competição lembra-os de como é possível fazer o mesmo com a própria vida”.

Outros pesquisadores criticaram o uso do método para determinar um limite. No entanto, o presente estudo usou recordes mundiais oficialmente reconhecidos em 61 eventos esportivos durante o período de 1900 a 2009 (29 provas de corrida e 32 de natação – todas em nível olímpico).  A análise estatística feita sugere que o desempenho na corrida e natação está diminuindo e eventualmente atingirá o seu máximo no período de uma década. Porém, esta análise não leva em conta mudanças nos regulamentos e condições ambientais. Se as federações mudarem o tamanho dos blocos de largada em uma prova de natação, por exemplo, Phelps estará certo e os atletas continuarão a quebrar mais e mais recordes por tempo indeterminado.

 

Artigos relacionados


Publicado em 23 de dezembro de 2010.