Campeonato Português - Nacional

Autor: 
MBPress

Nacional

Nome: Clube Desportivo Nacional

Apelido: Alvinegros ou Nacionalistas

Data de fundação: 8 de dezembro de 1910

Localização: Rua do Esmeraldo, 46 – Funchal, Portugal.

Estádio: Estádio da Madeira

Melhores colocações:

4º lugar – 2003/04
5º lugar – 2005/06
8º - 2006/07
10º - 1988/89
11º - 2002/03

Brasileiros no clube:

Rafael Bracalli, Felipe Lopes, Alonso, Maicon, Fernando Cedrola, Edson Sitta, Juliano, Luis Alberto, Cléber, Rafael Bastos, Juninho, Fabiano Oliveira, Nenê

*ACOMPANHE AQUI OS RESULTADOS DO CAMPEONATO PORTUGUÊS

No começo do século 20, o futebol ganhava mais praticantes e caía no gosto popular. Em Portugal não foi diferente. Um grupo de rapazes, como não tinha onde praticar o novo esporte, decidiu criar um clube voltado para a modalidade e foi assim que surgiu o Clube Desportivo Nacional, em 8 de dezembro de 1910.

O time da Ilha da Madeira foi fundado sob o nome de Nacional Sport Grupo e, neste mesmo ano, adotou seu tradicional uniforme: o preto e branco. Com a ascensão da equipe, em 1916, o alvinegro passou a disputar campeonatos oficiais e mudou de nome, passando a se chamar Grupo Desportivo Nacional, mudando definitivamente para o atual, em 1922.

O primeiro campo de jogo dos madeirenses foi inaugurado em 1927, sendo denominado Estádio dos Barreiros. A primeira partida foi contra o Vitória de Setúbal, uma das melhores equipes do país. Nessa época, o clube disputava apenas torneios nacionais amadores, como o Campeonato da Madeira.

Na temporada 1933/34, o Nacional estreou no Campeonato Português e era o único representante da Ilha da Madeira, mas, com a Segunda Guerra Mundial, a competição foi paralisada e sofreu alterações.

O clube só voltaria a participar de torneios nacionais em 1975, disputando a terceira divisão portuguesa. Durante o período em que não disputou competições oficiais, o alvinegro apenas jogava campeonatos amadores e se consagrou por diversas vezes campeão da Ilha da Madeira.

Em 1977/78, o time ascendeu à segunda divisão e, em 1988, retornou à elite do futebol português, onde fez duas campanhas medianas, terminando sua participação em décimo e 14º lugar nos anos de 1989 e 1990, respectivamente.

Na temporada 1990/91, o Nacional caiu de divisão, depois de terminar o Campeonato Nacional na última colocação e entrou naquela que seria uma das piores crises de sua história.

Na Divisão de Honra – como é chamado o segundo escalão futebolístico português – fez participações razoáveis, sempre encerrando a competição no meio da tabela.

Mesmo com campanhas parecidas todos os anos, o clube não conseguiu se manter no segundo escalão e acabou rebaixado novamente, em 1995/96, desta vez para a II Divisão B.
A permanência na divisão não durou muito e os nacionalistas retornaram ao segundo patamar nacional, após fazer uma brilhante campanha e vencer a competição.

A conquista da terceira divisão deu novas esperanças aos torcedores, que acabaram frustrados com mais um descenso da equipe branca e preta, em 1998. O clube disputou por dois anos a terceira divisão, revivendo o pesadelo de temporadas anteriores, mas conseguiu ascender à Divisão de Honra, em 1999/00.

A ascensão deu novo fôlego ao time que, após dois anos, conquistou mais um acesso. Em 2003/04, o clube teve seu melhor ano na história, terminando o Campeonato Português na quarta colocação. Com isso, se classificou para disputar uma competição européia: a Copa da Uefa.

A primeira participação no campeonato não durou muito e o time acabou eliminado na primeira fase qualificatória, após perder os dois jogos (2 a 1 e 2 a 0) para o Sevilla, da Espanha.

Na temporada 2005/06, o Nacional voltou a fazer uma boa campanha e terminou o campeonato na quinta posição, classificando-se mais uma vez ao torneio europeu. A nova aventura em nível internacional, mais uma vez, acabou logo na primeira eliminatória, desta vez perdendo para o Rapid Bucarest, por 2 a 1 e 1 a 0.

Mascote

A mascote do Clube Desportivo Nacional da Madeira é o Panda Sebastião. Ele foi escolhido em votação pela torcida. Sua figura é fundamental para a animação do público dentro da "toca" do Nacional.



Mascote do Nacional

­